Departamento Ambiental

Nossos serviços

· EIA/RIMA (Estudo de Impacto Ambiental/ Relatório de Impacto Ambiental)
· Projetos de engenharia (Estações de Tratamento de Esgoto – ETEs, Barragens, Aterros Sanitários, Loteamentos e etc.)
· Projetos paisagísticos Projetos de reflorestamento (Silvicultura)
· Projetos de compensação ambiental
· Programas e relatórios (PCAs/RCAs)
· Projetos de restauração e recuperação ambiental
· Processos de outorga do uso da água Projetos de MDL – créditos de carbono.
· Elaboração e implantação do Projeto Básico Ambiental – PBA
· Estudo de Análise de Risco (EAR)
· Plano de Gerenciamento de Riscos (PGR)
· Plano de Emegência Individual (PEI)
· Estudo de Viabilidade Ambiental (EVA)
· Relatórios de Avaliação Preliminar (RAP)
· Estudo Ambiental Simplificado (EAS)
· Relatório Ambiental Simplificado (RAS)
· Avaliação Ambiental Estratégica (AAE)
· Elaboração e Execução de Audiências Públicas Estudos,
· Programas e Projetos de Recuperação de Áreas Degradadas Monitoramento Ambiental (Qualidade do ar e de recursos hídricos, ruídos e flora / fauna)
· Elaboração, Execução e Treinamento em Educação Ambiental
· Projetos Ecoturísticos
· Planos de Manejo de Unidades de Conservação (UC´s)
· Planos de Zoneamento Ambiental
· Planos Diretores Municipais;
· Implementação e Execução de Sistemas de Gestão Ambiental SGA e de Auditoria Ambiental
· Assessoria na elaboração de Normas, Procedimentos e Especificações Ambientais
· Análise Ambiental através de Sistema Geográfico de Informação – SIG
· Estudos de impacto de vizinhança (EIV)
· Licenciamento Ambiental ( LP; LI e LO – Municipal, Estadual e Federal).

Topografia – Levantamentos – Laudos

· Laudo de avaliação ambiental
· Laudo e levantamento de cobertura vegetal
· Laudo de fauna Levantamento planialtimétrico
· Laudo geológico
· Laudo topográfico
· Laudo arqueológico
· Laudo de contaminação química

Resíduos

Resíduos para os quais oferecemos soluções:
· Resíduos sólidos industriais (Classes I, II e III)
· Resíduos de serviço da saúde (Grupos A, B e D)
· Resíduos da construção civil e demolição (Classes A, B, C e D)
· Resíduos de atividades rurais (Agrotóxicos)
Serviços que executamos:
· Inventário de resíduos;
· Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS)
· Procedimentos de gestão de resíduos
· Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS)
· Mapeamento de riscos ambientais

ANÁLISES AMBIENTAIS

Água
· Potabilidade de água (poços artesianos, caixas d´água, etc);
· Identificação de contaminantes em rios e arroios;
· Caracterização de balneabilidade para praias e balneários;
· Classificação das águas (Resolução CONAMA 237/05);
· Identificação de macro e micronutrientes;
· Índices de absorção de sódio e nutrientes em águas para irrigação;

Efluentes
· Identificação dos padrões dos efluentes líquidos;
· Análises de água de poços de monitoramento;
· Monitoramento ambiental de efluentes;

Ar
· Índice de explosividade;
· Análises microbiológicas;
· Aerodispersóides (totais/poeiras);
· Contaminação química;
· Parâmetros físicos;

Solo
· Contaminação do solo;
· Macro e micro nutrientes;
· Estabilidade e compactação do solo;
· Permeabilidade.

ASSESSORIA JURÍDICA

· Elaboração de pareceres e solicitações aos órgãos ambientais
· Auxílio técnico para casos de perícia ambiental
· Defesa contra autos de infração
· Auxílio técnico em termos de compromisso de ajustamento de conduta
· Adequação da empresa à legislação ambiental vigente
Equipamentos:
Soluções em tecnologia e equipamentos para empresa/empreendimentos.

Cadastros:

CAR – Cadastro Ambiental Rural.

Contatos:

contato.ambiental@conpej.org.br
Telefones – 21 2234-2401

ALGUNS PROJETOS

 

Sistema de engenharia para desinfecção de água

O projeto de desinfecção de água envolve instalação e manutenção de produtos detentores de tecnologia própria para desinfecção de ÁGUA através da ação germicida da luz ULTRAVIOLETA, é um processo físico que não modifica a composição da ÁGUA, mas, destrói instantaneamente os microorganismos em suspensão, que segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) são responsáveis por doenças que atingem o homem.

AÇÃO

O sistema é formado por um processo físico que não modifica os elementos tratados, mas destrói instantaneamente os microorganismos em suspensão na água que são responsáveis por inúmeras doenças que atingem o homem por via hídrica e aérea.

TECNOLOGIA

A tecnologia baseia-se no bombardeamento direto e concentrado da água por fótons de raios ultravioleta, que se deslocam a velocidade próxima de 300.000 km/s e comprimento de onda adequada para uma ação imediata na inativação dos micro organismos.

FUNCIONAMENTO

Os equipamentos utilizam os raios ultravioleta no comprimento de onda de 253.7 nanômetros que corresponde á faixa abiótica do espectro solar, que destroem os micro organismos em suspensão na água, sem modificar sua composição, odor ou sabor.

Os materiais são confeccionados em aço inox polidos, evitando assim porosidade, onde os micro organismos pode ficar alojados. O sistema tem 99% de eficiência no que se propõe a fazer, sendo atestada através de exames laboratoriais, já sendo utilizadas por empresas conhecidas no mercado.

O sistema funciona dividindo o processo em Quatro etapas:

1ª etapa: Filtragem do cloro e das partículas sólidas presentes na água. O processo envolve a passagem natural, retenção e decantação destas substâncias. (figura.01)

2ª etapa: Desinfecção por UV. Este é responsável pela diminuição da carga microbiana e todos os outros micro organismos resistentes ao ar. (figura.02)

3ª etapa:Bombas dosadoras de flúor e cloro.(figura.04)

4ª etapa: Armazenamento da água já tratada. Tão importante quanto às duas primeiras, o armazenamento garante a qualidade permanente da água, mesmo por longos períodos. (figura.03)

Bombas Dosadoras

FIGURA1 FIGURA2 FIGURA3

Água nas Unidades

Justificativa: Gestão Pública da Água          

Tanta tecnologia e tantas doenças atingindo o homem por via hídrica. Analisemos os serviços públicos de abastecimento da água de consumo que de um modo geral nas Estações de Tratamento de Água (ETA’s) é submetido ao tratamento de potabilização de acordo com os parâmetros internacionais. Entretanto se analisarmos o que se passa nas ETA’s até os pontos de consumo, tal percurso quilométrico entre o tratamento e os pontos de abastecimento, ocorrem vazamentos, detectados muitas horas após a ocorrência do mesmo. Assim, durante períodos mais ou menos longos a água fica sujeita aos mais severos graus de contaminação. Então no instante que ocorre a redução de pressão forma-se um fluxo de sucção, arrastando para o interior das tubulações essa contaminação que chega aos reservatórios e, por conseguinte as torneiras.  

Hoje o mercado dispõe de inúmeros aparelhos para corrigir a ocorrência de contaminações com os seus terríveis efeitos. Não estamos colocando em questão a eficácia do aparelho, mas sua má aplicação. Vejamos o que se passa com os pequenos aparelhos normalmente instalados nas cozinhas para enchimento de garrafas de água destinada ao consumo humano e de outros expedientes culinários. Observamos agora à água que é destinada a higiene pessoal, sem tratamento algum pode ser também um dos grandes causadores de contaminação.  

Deve-se considerar que a água utilizada na preparação dos alimentos deve ser tão pura quanto a que ingerimos. Sempre devemos nos preocupar com as contaminações do meio ambiente através da água que utilizamos no dia a dia e do ar que se degrada, levando no seu deslocamento incontáveis micro    organismos nocivos a nossa vida.   

A água contaminada ou de má qualidade gera mais mortes do que toda a forma de violência, incluindo a guerra, anunciou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.   

“Essas mortes são uma afronta para a Humanidade e minam os esforços de muitos países para atingir seu desenvolvimento potencial. Todos os dias despejamos milhões de toneladas de águas residuais e de resíduos industriais e agrícolas nos sistemas de água mundiais”, alegou Ban antes de ressaltar que a água potável será ainda mais escassa devido às mudanças climáticas.   

Ban ressaltou que o mundo possui conhecimentos científicos suficientes para administrar melhor os recursos naturais.  

Segundo dados divulgados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) mostram que o consumo de água contaminada no país já provocou doenças em cerca de 10 mil brasileiros, entre 1999 e 2008. Os números do Ministério da Saúde apontam, ainda que, na maioria dos casos, a contração de doenças pelo consumo de água ocorre dentro das residências, escolas e creches, sendo os mais afetados as crianças por não possuírem o seu sistema imunológico totalmente formado.   

Para a ANVISA, esses índices epidemiológicos revelam a necessidade de utilizar água tratada e ingredientes seguros no preparo de alimentos. “Muitas vezes, a população não toma cuidado com as condições de limpeza das caixas d’água, por exemplo, e isso se torna um fator de risco para a contaminação de alimentos, argumenta a diretora da ANVISA, Maria Cecília Brito.          

Tal informação citada pela ANVISA pode ser constatada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), onde pelo menos dois milhões de pessoas, principalmente crianças com menos de cinco anos de idade, morrem por ano no mundo devido a doenças causadas pela água contaminada. Porém, os problemas podem ser evitados por meio de políticas públicas eficientes, segundo a OMS. Para os especialistas, o ideal é adotar um plano de gestão de água potável de qualidade.         

O coordenador de Água, Saneamento, Higiene e Saúde da OMS, Robert Bos, destaca que os males causados pela água contaminada atingem países desenvolvidos e em desenvolvimento, necessitando de ações específicas para o combate ao problema.